Quando uma civilização se abandona toda ao materialismo, e dele tira, como a nossa, todos os seus gozos e todas as suas glórias, tende sempre a julgar as civilizações alheias segundo a abundância ou a escassez do progresso material, industrial e sumptuário.


quando-uma-civilização-se-abandona-toda-ao-materialismo-e-dele-tira-como-a-nossa-todos-os-seus-gozos-e-todas-as-suas-glórias-tende-sempre-a-julgar
eça de queirósquandoumacivilizaãoseabandonatodaaomaterialismodeletiracomonossatodososseusgozostodasassuasglóriastendesemprejulgarcivilizaõesalheiassegundoabundânciaescassezdoprogressomaterialindustrialsumpturioquando umauma civilizaçãocivilização sese abandonaabandona todatoda aoao materialismoe deledele tiratodos osos seusseus gozosgozos ee todastodas asas suassuas glóriastende semprejulgar asas civilizaçõescivilizações alheiasalheias segundoabundância ouescassez dodo progressoprogresso materialindustrial ee sumptuárioquando uma civilizaçãouma civilização secivilização se abandonase abandona todaabandona toda aotoda ao materialismoe dele tiracomo a nossatodos os seusos seus gozosseus gozos egozos e todase todas astodas as suasas suas glóriassempre a julgara julgar asjulgar as civilizaçõesas civilizações alheiascivilizações alheias segundosegundo a abundânciaa abundância ouou a escasseza escassez doescassez do progressodo progresso materialindustrial e sumptuário

A complicada abundância da nossa civilização material, as nossas máquinas, os nossos telefones, a nossa luz eléctrica, tem-nos tornado intoleravelmente pedantes: estamos prontos a declarar desprezível uma raça, desde que ela não sabe fabricar pianos de Erard; e se há algures um povo que não possua como nós o talento de compor óperas cómicas consideramo-lo ipso facto votado para sempre à escravidão...Não é amar as raparigas tratá-las como seres que não entendem senão as suas lisonjas e as suas anedotas; só as amará e só elas o poderão amar a você, para além das enganadoras aparências, quando a sua alma se lhes abrir, e com todos os seus problemas, todas as suas angústias, toda a sua seriedade, toda a sua gravidade humana.Nada será menos industrial do que a civilização nascida da revolução industrial.Toda a moral comporta uma certa análise das acções. Todas as morais são falsas. Mas toda a moral tem as suas perspectivas e as suas visões próprias, bem como a teoria dos seus motivos.Que pensa da nossa crise? Dos seus aspectos - político, moral e intelectual? A nossa crise provém, essencialmente, do excesso de civilização dos incivilizáveis. Esta frase, como todas ...Os cumes da civilização e do progresso estão distantes um do outro. Não devemos deixar-nos enganar sobre o antagonismo profundo que separa civilização de progresso.