Os velhos amantes que recordam a fúlgida mocidade, não podem fitar-se sem rir ou sem chorar.


os-velhos-amantes-recordam-a-fúlgida-mocidade-não-podem-fitar-se-sem-rir-sem-chorar
públio siroosvelhosamantesrecordamfúlgidamocidadenãopodemfitarsesemrirchoraros velhosvelhos amantesamantes queque recordamfúlgida mocidadenão podemsem rirrir ouou semsem choraros velhos amantesvelhos amantes queamantes que recordamrecordam a fúlgidaa fúlgida mocidadesem rir ourir ou semou sem choraros velhos amantes quevelhos amantes que recordamque recordam a fúlgidarecordam a fúlgida mocidadesem rir ou semrir ou sem choraros velhos amantes que recordamamantes que recordam a fúlgidaque recordam a fúlgida mocidadesem rir ou sem chorar

O meu amigo sabe rir, eu não sei rir nem chorar; trago às costas o peso duma floresta inteira, sem saber porquê nem para quê, e caminho sem saber donde vim nem para onde vou. Tudo isto é tão feio e tão sujo e tão triste!O riso é lindo. Não é preciso rir “de”. Rir “de” é uma inferioridade. Nem sequer é preciso rir “porque”. O melhor é rir sem fazer a mínima ideia porquê.Não basta a leitura sem a unção, não basta a especulação sem a devoção, não basta a pesquisa sem maravilhar-se; não basta a circunspeção sem o júbilo, o trabalho sem a piedade, a ciência sem a caridade, a inteligência sem a humildade, o estudo sem a graça.Amor sem limites, rir até chorar, sorrir até sua boca dói, e viver até morrer.O que destrói a humanidade: A Política, sem princípios; o Prazer, sem compromisso; a Riqueza, sem trabalho; a Sabedoria, sem caráter; os negócios, sem moral; a Ciência, sem humanidade; a Oração, sem caridade.Sem pressa. Sem vírgula. Sem ponto final. Sem briga. Sem mágoa. Sem dor. Só amor, por favor.