Estamos vulcões. Quando nós, mulheres, oferecer nossa experiência como a nossa verdade, como verdade humana, todos os mapas mudar. Há novas montanhas


estamos-vulcões-quando-nós-mulheres-oferecer-nossa-experiência-como-a-nossa-verdade-como-verdade-humana-todos-os-mapas-mudar-há-novas-montanhas
estamosvulcõesquandonósmulheresoferecernossaexperiênciacomoverdadeverdadehumanatodososmapasmudarhnovasmontanhasestamos vulcõesquando nósoferecer nossanossa experiênciaexperiência comonossa verdadecomo verdadeverdade humanatodos osos mapasmapas mudarhá novasnovas montanhasoferecer nossa experiêncianossa experiência comocomo a nossaa nossa verdadecomo verdade humanatodos os mapasos mapas mudarhá novas montanhasoferecer nossa experiência comoexperiência como a nossacomo a nossa verdadetodos os mapas mudarnossa experiência como a nossaexperiência como a nossa verdade

Toda a nossa experiência com a história deve nos ensinar, quando olhamos para trás, como mal humana sabedoria é traído quando ele se baseia em siÉ verdade que nós escolhemos a nossa vida, mas também a sua verdade que podemos escolher a qualquer momento para mudar o nosso caminho.Toda a nossa vida é uma primavera, porque temos em nós a verdade que não envelhece e essa verdade anima toda a nossa caminhada.A nossa relação com a realidade e com a nossa experiência é toda baseada nas idéias em nossa mente que estamos sempre tentando viver até.A verdade causa repugnância à nossa natureza, mas o erro não, e isso por um motivo bem simples: a verdade exige que nos reconheçamos como seres limitados; o erro acalenta-nos na ideia de que, de um modo ou de outro, somos infinitos.Estamos ligados aos nossos atos como um fósforo ã sua chama. Eles consomem-nos, é verdade, mas são eles que nos dão o nosso esplendor. E, se a nossa alma valeu alguma coisa, é porque ardeu com mais ardor do que outras.