Em todos os países vi sempre homens de três espécies: os poucos que comandam, a universalidade que serve e os muitos que armam intrigas.


em-todos-os-paí-vi-sempre-homens-de-três-espécies-os-poucos-comandam-a-universalidade-serve-e-os-muitos-armam-intrigas
ugo foscoloemtodosospaísesvisemprehomensdetrêsespéciespoucoscomandamuniversalidadeservemuitosarmamintrigasem todostodos osos paísespaíses vivi sempresempre homenshomens dede trêstrês espéciesos poucospoucos queque comandamuniversalidade queque serveserve ee osos muitosmuitos queque armamarmam intrigasem todos ostodos os paísesos países vipaíses vi semprevi sempre homenssempre homens dehomens de trêsde três espéciesos poucos quepoucos que comandama universalidade queuniversalidade que serveque serve eserve e ose os muitosos muitos quemuitos que armamque armam intrigasem todos os paísestodos os países vios países vi semprepaíses vi sempre homensvi sempre homens desempre homens de trêshomens de três espéciesos poucos que comandama universalidade que serveuniversalidade que serve eque serve e osserve e os muitose os muitos queos muitos que armammuitos que armam intrigasem todos os países vitodos os países vi sempreos países vi sempre homenspaíses vi sempre homens devi sempre homens de trêssempre homens de três espéciesa universalidade que serve euniversalidade que serve e osque serve e os muitosserve e os muitos quee os muitos que armamos muitos que armam intrigas

Há três espécies de Portugal, dentro do mesmo Portugal; ou, se se preferir, há três espécies de português. Um começou com a nacionalidade: é o português típico, que forma o fundo da nação e o da sua ...As minas antipessoais são produzidas por países que se reclamam da civilização e dos direitos humanos. Algumas destas nações proclamam-se mesmo campeãs na luta contra o terrorismo e as armas de destruição em massa. Mas recusaram-se sempre a assinar o acordo para o fornecimento desta insidiosa forma de terrorismo que todos os dias mutila e mata mulheres, crianças e homens inocentes nos países pobres.Todos querem liberdade, muitos a possuem, poucos a merecem.Em junho como muitos como uma dúzia de espécies pode estourar seus botões em um único dia. Nenhum homem pode atender todos estes aniversários ninguém pode ignorar todos eles.A autoridade de poucos é e será sempre a razão e argumento de muitos.Seja cortês com todos, sociável com muitos, íntimo de poucos, amigo de um e inimigo de nenhum.