De repente a gente sente que não sente mais nada.


de-repente-a-gente-sente-não-sente-nada
derepentegentesentenãonadade repentegente sentesente queque nãonão sentesente maismais nadarepente a gentea gente sentegente sente quesente que nãoque não sentenão sente maissente mais nadade repente a genterepente a gente sentea gente sente quegente sente que nãosente que não senteque não sente maisnão sente mais nadade repente a gente senterepente a gente sente quea gente sente que nãogente sente que não sentesente que não sente maisque não sente mais nada

Tem gente que sente o que a gente sente e passa isto docemente. Tem gente que vive como a gente vive, tem gente que fala e nos olha na face, tem gente que cala e nos faz olhar. Toda essa gente que convive com a gente, leva da gente o que a gente teme passa a ser gente dentro da gente. Um pedaço da gente em outro alguém.Você sabe o que sente, mas, finge que não sente nada, para tentar não sentir.Existem momentos na vida da gente, em que as palavras perdem o sentido ou parecem inúteis, e, por mais que a gente pense numa forma de empregá-las elas parecem não servir. Então a gente não diz, apenas sente.Isto às vezes é tremendo porque a gente quer exprimir sentimentos em relação a pessoas e as palavras são gastas e poucas. E depois aquilo que a gente sente é tão mais forte que as palavras...O trabalho é desejável, primeiro e antes de tudo como um preventivo contra o aborrecimento, pois o aborrecimento que um homem sente ao executar um trabalho necessário embora monótono, não se compara ao que sente quando nada tem que fazer.Quem ouve música, sente a sua solidão de repente povoada.