Considerar a nossa maior angústia como um incidente sem importância, não só na vida do universo, mas da nossa mesma alma, é o princípio da sabedoria.


considerar-a-nossa-maior-angústia-como-um-incidente-sem-importância-não-só-na-vida-do-universo-mas-da-nossa-mesma-alma-é-o-princípio-da
fernando pessoaconsiderarnossamaiorangústiacomoumincidentesemimportâncianãonavidadouniversomasdamesmaalmaprincípiosabedorianossa maiorangústia comocomo umum incidenteincidente semsem importâncianão sósó nana vidavida dodo universomas dada nossanossa mesmamesma almao princípioprincípio dada sabedoriaconsiderar a nossaa nossa maiornossa maior angústiamaior angústia comoangústia como umcomo um incidenteum incidente semincidente sem importâncianão só nasó na vidana vida dovida do universomas da nossada nossa mesmanossa mesma almaé o princípioo princípio daprincípio da sabedoriaconsiderar a nossa maiora nossa maior angústianossa maior angústia comomaior angústia como umangústia como um incidentecomo um incidente semum incidente sem importâncianão só na vidasó na vida dona vida do universomas da nossa mesmada nossa mesma almaé o princípio dao princípio da sabedoriaconsiderar a nossa maior angústiaa nossa maior angústia comonossa maior angústia como ummaior angústia como um incidenteangústia como um incidente semcomo um incidente sem importâncianão só na vida dosó na vida do universomas da nossa mesma almaé o princípio da sabedoria

A importância de um bom amigo em nossa vida é Assim como a importância da nossa única pulsação do coração! Não é visível, mas silenciosamente apoia a nossa vida.Para perceber que tudo no universo está conectado é tanto para aceitar a nossa insignificância e compreender nossa importância nisso.Os pensamentos que concebemos em nossa alma é a imagem construída mais tarde em nosso coração a pensar em nossa mente e, em seguida, praticamente ver em nossa vida.Não é o que somos que nos define, é o que fazemos para os outros que definem nossa personalidade, nossa imagem, a nossa alma.Embora não possamos experimentar a nossa vida como um presente sem fim, somos eternos aos olhos de Deus; isto é, em nossa realidade mais profunda.Não é a nossa condição, mas a têmpera da nossa alma que nos torna felizes.