Aqui na minha frente a folha branca do papel, à espera; dentro de mim esta angústia, à espera: e nada escrevo. A vida não é para se escrever. A vida ? esta intimidade profunda, este ser sem remédio, esta noite de pesadelo que nem se chega a saber ao certo porque foi assim ? é para se viver, não é para se fazer dela literatura.


aqui-na-minha-frente-a-folha-branca-do-papel-à-espera-dentro-de-mim-esta-angústia-à-espera-e-nada-escrevo-a-vida-não-é-para-se-escrever-a-vida
miguel torgaaquinaminhafrentefolhabrancadopapelesperadentrodemimestaangústiaesperanadaescrevovidanãoparaseescreverintimidadeprofundaestesersemremédionoitepesadelonemchegasaberaocertoporquefoiassimviverfazerdelaliteraturaaqui nana minhaminha frentefolha brancabranca dodo papelà esperadentro dede mimmim estaesta angústiaà esperae nadanada escrevovida nãonão éé parapara sese escrevervidaestaesta intimidadeintimidade profundaeste serser semsem remédioesta noitenoite dede pesadelopesadelo queque nemnem sese chegasaber aoao certocerto porqueporque foifoi assimassimé parapara sese vivernão éé parapara sese fazerfazer deladela literaturaaqui na minhana minha frentefrente a folhaa folha brancafolha branca dobranca do papeldentro de mimde mim estamim esta angústiae nada escrevoa vida nãovida não énão é paraé para separa se escrevera vidaesta intimidadeesta intimidade profundaeste ser semser sem remédioesta noite denoite de pesadelode pesadelo quepesadelo que nemque nem senem se chegachega a sabera saber aosaber ao certoao certo porquecerto porque foiporque foi assimfoi assimé paraé para separa se vivernão é paraé para separa se fazerse fazer delafazer dela literatura

Aqui na minha frente a folha branca do papel, à espera; dentro de mim esta angústia, à espera: e nada escrevo. A vida não é para se escrever. A vida — esta intimidade profunda, este ser sem remédio, esta noite de pesadelo que nem se chega a saber ao certo porque foi assim — é para se viver, não é para se fazer dela literatura.Eu nem sequer gosto de escrever, Acontece-me às vezes estar tão desesperado que me refugio no papel como quem se esconde para chorar. E o mais estranho é arrancar da minha angústia palavras de profunda reconciliação com a vida.Aqui está o meu amor, levá-la. Aqui está a minha alma, usá-lo. Aqui está o meu coração, não quebrá-lo. Aqui está minha mão, segure-o e juntos vamos fazer isso para sempreO homem se esforça para encontrar vida fora de si mesmo, sem saber que a vida que ele está buscando está dentro dele.Por que se preocupar com coisas que você não pode mudar? Seguir em frente, porque a vida não está à espera.Espera... espera... ó minha sombra amada... Vê que para além de mim já não há nada e nunca mais me encontras neste mundo!...