A rádio foi para a música o que o jornalismo foi para a literatura. Da mesma maneira que não há Cervantes que resista entre duas colunas de uma gazeta, não há Beethoven que se aguente entre dois fados da Mouraria.


a-rádio-foi-para-a-música-o-o-jornalismo-foi-para-a-literatura-da-mesma-maneira-não-há-cervantes-resista-entre-duas-colunas-de-uma-gazeta-não
miguel torgardiofoiparamúsicajornalismoliteraturadamesmamaneiranãohcervantesresistaentreduascolunasdeumagazetabeethovenseaguentedoisfadosdamourariarádio foifoi paramúsica oo jornalismojornalismo foifoi parada mesmamesma maneiramaneira queque nãonão háhá cervantescervantes queque resistaresista entreentre duasduas colunascolunas dede umauma gazetanão háhá beethovenbeethoven queque sese aguenteaguente entreentre doisdois fadosfados dada mourariaa rádio foirádio foi parapara a músicaa música omúsica o queo que oque o jornalismoo jornalismo foijornalismo foi parapara a literaturada mesma maneiramesma maneira quemaneira que nãoque não hánão há cervanteshá cervantes quecervantes que resistaque resista entreresista entre duasentre duas colunasduas colunas decolunas de umade uma gazetanão há beethovenhá beethoven quebeethoven que seque se aguentese aguente entreaguente entre doisentre dois fadosdois fados dafados da mouraria

A diferença entre literatura e jornalismo é que o jornalismo é ilegível ea literatura não é lidoA diferença entre a literatura e o jornalismo é que o jornalismo é ilegível e a literatura não é lida.A música enche o infinito entre duas almas. Este foi abafada pela névoa dos nossos hábitos diáriosEm guerras como essa, diz meu pai, uma guerra civil, entre cidadãos, sempre, e em todo lugar, são desarraigadas populaçãµes inteiras. Foi assim que aconteceu entre a Grécia e a Turquia, entre a ãndia e o Paquistão. Entre a Polônia e a Tchecoslováquia e a Alemanha.Bem, isto foi sempre o meu objetivo durante anos, ou seja sempre foi um dos meus objetivos, que tudo o que se fizesse, fosse equilibrado. Disse-o centenas de vezes até chatear – o que conta é o equilíbrio entre as palavras e a música, e eu penso que foi isso que se perdeu em The final cut.Ada foi o primeiro ser humano no mundo a sobrevoar a selva amazã´nica, num monomotor, sem rádio, apenas com uma bússola, em 1956 e primeira para-quedista do Brasil, entre homens e mulheres e a primeira mulher da América do Sul.