A dor dos pobres é resignada e calma; traz às vezes consigo as aparências da revolta, mas, no fundo, é cheia dum imenso, dum infinito desapego por tudo. Os pobres vêm ao mundo já sem nada; o pouco que a vida lhes deixa é emprestado. Que lhes hão-de tirar que seja deles?! Aos pobres toda a gente chama desgraçados.


a-dor-pobres-é-resignada-e-calma-traz-às-vezes-consigo-as-aparências-da-revolta-mas-no-fundo-é-cheia-dum-imenso-dum-infinito-desapego-por-tudo
florbela espancadorpobresresignadacalmatrazàsvezesconsigoasaparênciasdarevoltamasnofundocheiadumimensoinfinitodesapegoportudoosvêmaomundojsemnadapoucovidalhesdeixaemprestadohãodetirarsejadelesaostodagentechamadesgraadosdos pobrespobres éé resignadaresignada ee calmatraz àsàs vezesvezes consigoconsigo asas aparênciasaparências dada revoltano fundoé cheiacheia dumdum imensodum infinitoinfinito desapegodesapego poros pobrespobres vêmvêm aoao mundomundo jájá semsem nadao poucopouco quevida lheslhes deixadeixa éé emprestadoque lhestirar queque sejaaos pobrespobres todagente chamachama desgraçadosa dor dosdor dos pobresdos pobres épobres é resignadaé resignada eresignada e calmatraz às vezesàs vezes consigovezes consigo asconsigo as aparênciasas aparências daaparências da revoltaé cheia dumcheia dum imensodum infinito desapegoinfinito desapego pordesapego por tudoos pobres vêmpobres vêm aovêm ao mundoao mundo jámundo já semjá sem nadao pouco queque a vidaa vida lhesvida lhes deixalhes deixa édeixa é emprestadotirar que sejaaos pobres todatoda a gentea gente chamagente chama desgraçados

É preciso que os pobres sejam tão pobres que não lhes reste senão se revoltarem.Emprestai aos pobres e pedi emprestado aos ricos, que logo sereis abandonado por uns e por outros.Se ela tivesse dito torrentes de eloquência, amava-a naturalmente pelo espírito. Como não disse nada, amava-a pelo silêncio. O coração do homem é como o paladar dos pobres: tudo lhes sabe a comer.Os tristes, os deserdados, os pobres, os oprimidos, quando tudo lhes falta, o pão, o lume, o vestido, têm sempre, no fundo da alma, uma cantiga pequena que os consola, que os aquece, que os alegra. É a última coisa que fica no pobre. E então a cantiga vale mais do que todos os poemas.Há apenas um tipo de comunidade que pensa mais em dinheiro do que os ricos: os pobres. Os pobres não conseguem pensar em mais nada.Se você dá comida aos pobres, chamam-lhe um santo. Se você perguntar por que os pobres não têm comida, eles te chamam de comunista.