A complexidade das coisas – as coisas dentro das coisas – parece ser infinita. Quero dizer que nada é fácil, nada é simples.


a-complexidade-das-coisas-as-coisas-dentro-das-coisas-parece-ser-infinita-quero-dizer-nada-é-fácil-nada-é-simples
alice munrocomplexidadedascoisasasdentropareceserinfinitaquerodizernadafcilsimplescomplexidade dasdas coisascoisas –– asas coisascoisas dentrodentro dasdas coisascoisas –– pareceparece serser infinitaquero dizerdizer queque nadanada éé fácilnada éé simplesa complexidade dascomplexidade das coisasdas coisas –coisas – as– as coisasas coisas dentrocoisas dentro dasdentro das coisasdas coisas –coisas – parece– parece serparece ser infinitaquero dizer quedizer que nadaque nada énada é fácilnada é simplesa complexidade das coisascomplexidade das coisas –das coisas – ascoisas – as coisas– as coisas dentroas coisas dentro dascoisas dentro das coisasdentro das coisas –das coisas – parececoisas – parece ser– parece ser infinitaquero dizer que nadadizer que nada éque nada é fácila complexidade das coisas –complexidade das coisas – asdas coisas – as coisascoisas – as coisas dentro– as coisas dentro dasas coisas dentro das coisascoisas dentro das coisas –dentro das coisas – parecedas coisas – parece sercoisas – parece ser infinitaquero dizer que nada édizer que nada é fácil

A complexidade das coisas - as coisas dentro de coisas - apenas parece ser interminável. Quero dizer nada é fácil, nada é simples.Parece-me que na escala das medidas universais há um ponto em que a imaginação e o conhecimento se cruzam, um ponto em que se atinge a diminuição das coisas grandes e o aumento das coisas pequenas: é o ponto da arte.Dizer facilmente até as coisas mais fáceis de serem ditas não é nada fácil, ou melhor, é algo muito difícil entre as coisas mais difíceis.Dizer facilmente até as coisas mais fáceis de serem ditas não é nada fácil, ou melhor, é algo muito difícil entre as coisas mais difíceisComputadores tornam fácil fazer um monte de coisas, mas a maioria das coisas que eles tornam fácil fazer não precisam ser feitas.As mulheres não meditam, contentam-se com entrever ideias sob a forma mais flutuante e mais indecisa. Nada se acusa, nada se fixa nas brumas douradas das suas fantasias. São apenas aparições rápidas, figuras vagas, contornos imediatamente desvanecidos. Dir-se-ia que nada se importam com a verdade das coisas.