É dificílimo ser certinho. Qualquer palerma consegue ser um doidivanas que faz tudo o que lhe vem à cabeça. Qualquer trinca-tortas pode ser «imprevisível». Desde quando é que houve o mínimo custo em ser «irresponsável». Ser desorganizado não tem graça nem mérito. É estar inacabado.


É-dificílimo-ser-certinho-qualquer-palerma-consegue-ser-um-doidivanas-faz-tudo-o-lhe-vem-à-cabe-qualquer-trinca-tortas-pode-ser-imprevisível
miguel esteves cardosodificílimosercertinhoqualquerpalermaconsegueumdoidivanasfaztudolhevemcabeatrincatortaspodeimprevisíveldesdequandohouvemínimocustoemirresponsvelserdesorganizadonãotemgraanemméritoestarinacabadoÉ dificílimodificílimo serser certinhoqualquer palermapalerma consegueconsegue serser umum doidivanasdoidivanas queque fazfaz tudotudo oque lhelhe vemvem àà cabeçapode serser «imprevisível»desde quandoquando éque houvehouve oo mínimomínimo custocusto emem serser «irresponsável»ser desorganizadodesorganizado nãonão temtem graçagraça nemnem méritoÉ estarestar inacabadoÉ dificílimo serdificílimo ser certinhoqualquer palerma conseguepalerma consegue serconsegue ser umser um doidivanasum doidivanas quedoidivanas que fazque faz tudofaz tudo otudo o queo que lheque lhe vemlhe vem àvem à cabeçapode ser «imprevisível»desde quando équando é queé que houveque houve ohouve o mínimoo mínimo customínimo custo emcusto em serem ser «irresponsável»ser desorganizado nãodesorganizado não temnão tem graçatem graça nemgraça nem méritoÉ estar inacabado

Tem que ser um mulherão! Não pode ser só linda e gostosa, tem que ser inteligente. Não pode ser qualquer uma para me substituir.Qualquer coisa pode ser traído, qualquer um pode ser perdoado, mas não aqueles que não têm a coragem de sua própria grandeza.Você não pode ser qualquer coisa que desejar ser. Mas pode ser tudo o que Deus quer que você seja.Tudo tem suas maravilhas, mesmo a escuridão e silêncio, e eu aprender, qualquer estado que pode ser, nele para ser conteúdo.Qualquer ser humano, em qualquer parte do mundo, irá florescer em cem talentos e capacidades inesperadas, simplesmente por lhe ser dada a oportunidade de o fazer.A arte não pode ser política, nem sujeição social, nem glosa duma ideia que faz época; nem mesmo pode estar de qualquer forma aliada ao conceito «progresso». É algo mais. É o próprio alento humano para lá da morte de todas as quimeras, da fadiga de todas as perguntas sem solução.